Diálogos 8

Em Mudanças, de 27.12.15, apresentei as razões que me levaram aos Diálogos. Em Diálogos 1 – preâmbulo, de 10.1.16, iniciei a publicação dos diálogos escritos a partir de 29/3/82.

Posts anteriores relacionados:                 Mudanças          Diálogos 1          Diálogos 2          Diálogos 3   Diálogos 4        Diálogos 5           Diálogos 6          Diálogos 7

P1. Mesmo ideias nada tendo a ver com goiabada.

 

P2. Falou-se, falou-se, falou-se e não se chegou a alguma conclusão. Muda-se o bendito tracinho ou acaba-se com ele? (originalmente foram colocados travessões indicativos de fala, abandonados na digitalização, e os debatedores eram identificados por 1 e 2)

P1. Exijo um plebiscito, algo mais democrático que um plebiscito não existe.

P2. Objeção levantada. Temos duas pessoas envolvidas e um plebiscito entre duas pessoas pode levar a um empate, um a um. E daí o que fazer? Continuaremos sem solução, enquanto os tracinhos permanecem.

P1. Convocamos um árbitro e ele dará a solução final.

P2. Essa história de árbitros só acaba em guerras. Nem o papa consegue se apresentar como um árbitro acatável. Também a infalibilidade papal já foi para o buraco

P1. Votemos antes de continuar a discutir. Naquele canto podemos montar a cabine indevassável, apesar de aberta, e a urna para o voto secreto.

P2. Mas para que?. Somos dois e partindo-se do pressuposto que eu sei e não esquecerei do meu voto, o seu voto já me é conhecido. Ou se pratica democracia plena ou ela não existe. Democracia relativa é o mesmo que beber pinga para curar bebedeira; não funciona.

P1. Pronto, aqui estão e os envelopes. Você vá ao banheiro, escreva o seu voto no papel, coloque-o no envelope, volte e jogue o envelope nesta caixa.

P2. Tá bom; assim esse negócio acaba de vez … Pronto, e ainda aproveitei a ida ao banheiro. Sabe que para certas eleições o banheiro é o melhor lugar para a urna? Já votou?

P1. Como, se você estava ocupando a cabine indevassável? Já volto … Agora vamos às apurações. Um voto para retirar o travessão e um voto para manter o travessão; empatou.

P2. Ah! Então você votou para ficar o travessão?

P1. Como assim? Como assim? Como você chegou a essa conclusão?

P2. Ora! Eu votei para retirar o travessão e assim conheço o seu voto!

P1. Jamais! Isto é fraude, a urna indevassável foi devassada! Exijo anulação desta e realização de novas eleições. Isto é fraude, fraude! O voto é secreto, se-cre-to!

P2. Chega, faça o que quiser, chega!

P1. Jamais, não chamarei para mim a responsabilidade que devemos dividir igualmente.

P2. Chega. Ou muda o tema ou paro de dialogar já.

P1. Isto é coação, pressão, desonestidade!

P2. Eu vou embora, já!

P1. Certo! Certo! O travessão permanece. Mas, mesmo assim eu não …

P2. Tchau!

P1. Não! Não! Volte! Prossigamos! O assunto está encerrado.

P2. Pelo contrário, pode-se aprender alguma coisa com o ocorrido.

P1. Agora quem some sou eu!

P2. Muito pelo contrário! Mudaremos de assunto mantendo o mesmo tema.

P1. Maravilhoso, criativo, mas como?

P3. Chega de conversa fiada, quem manda aqui sou eu, o que escreve. Não vocês, simples pensadores inexpressivos!

P1. Viu? Viu? É isso aí, quem disse ser a espada mais forte que a pena? Quem escreve detém o poder, não o mais forte!

P2. Ainda mais quando além de escrever detém ainda o poder de coação! Quem faz detém o poder, não quem pensa!

P1. Você reparou que os tracinhos se foram? E nós passamos a ser numerados? Numerados como gado em curral, engordando para o matadouro. E o nosso plebiscito sequer foi considerado!

P2. Sinto-me povo! SINTO-ME POVO! SOU POVO!

P1. Lógico que você é povo; qual outra coisa poderias ser?

Você é político? Não!                    Você é militar? Não!

Continua

 

 

Nota: Em algumas frases são referenciadas situações políticas, trajes, comportamentos e posturas típicas da época em que os diálogos foram escritos, primeira metade da década de 1980. Algumas delas tornaram-se moda, como barba mal aparada, uso de óculos Ray-Ban, governantes incompetentes. Outras, como bons modismos, desapareceram com o passar do tempo ou passaram a ser aceitos devido às mudanças de costumes.

 

Saúde e alegria a todos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s